UM BLOG APOIADO PELO INSTITUTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO

22
Ago 09

Desde 1995 que Portugal tem seguido um caminho sustentado para lado nenhum. Primeiro com a travagem abrupta no ritmo de convergência face à UE, depois com a divergência efectiva.

Os dados presentes e as perspectivas futuras variam entre o empobrecimento efectivo e o empobrecimento relativo, mas sempre, sempre empobrecimento. Como a Comissão Europeia constatou num relatório recente, a nossa situação é uma ‘protracted slump'.

A avaliação deste Governo na rua varia entre o transversal "políticos, cambada de bandalhos" e uma certa condescendência cultural indígena que convive com o que for preciso desde que não lhe baralhem muito a vida. Deste último caso são interessantes as formulações "fez algumas coisas boas" e "trouxe algumas pessoas competentes". O problema é que pessoalmente não conheço um único português a quem transferida para as mãos metade da riqueza nacional não fizesse "algumas coisas boas" ou não trouxesse "algumas pessoas competentes". A questão, passe o utilitarismo, é se o tipo de actividade e despesa sustentam e alavancam a sociedade ou se, pelo contrário, a aprisionam e contribuem para este lento e melancólico definhar que nos afasta dos padrões europeus que todos conhecemos e ambicionamos.

Desde 1995 passaram 14 anos, 11 foram governos e presidentes socialistas. Ninguém mais do que eles é responsável pelo que temos e pelo que não vamos ter se não invertermos caminho. Não vale a pena clamar pelo ‘subprime', pela posição geográfica ou pelos preços do leste ou do oriente. Qual é que é exactamente a importância destes pontos no modelo de Justiça que temos e que não funciona aqui nem em lado nenhum no mundo? É por uma questão de latitude que o programa do PS para a Justiça é de uma pobreza arrepiante? Qual é a relação exacta entre os preços dos têxteis mundiais e a péssima política legislativa, provavelmente a pior da Europa ocidental, responsável por um mau e interminável ordenamento legal onde nem os profissionais se entendem? E porque é que os nossos parceiros têm ao longo do tempo taxas de crescimento superiores às nossas debaixo do mesmo enquadramento internacional?

O quadro competitivo, fiscal, laboral, o sistema educativo, de saúde, de justiça ou de segurança, todos eles resultam de escolhas passadas que podemos identificar. Sabemos o que temos, sabemos como aqui chegámos e sabemos nós e todas as agências internacionais para onde não vamos nos próximos anos se tudo se mantiver igual.

Sente alguma espécie de simpatia face a quem nos trouxe a esta situação?

 

(Também publicado no DE)

publicado por Manuel Pinheiro às 22:21

pesquisar
 
Últimos comentários
Se o balanço do trabalho do IFSC é claramente posi...
"Que o país quer genericamente mais do mesmo, é ev...
O foco neste momento são as autarquias. Penso que ...
http://osocratico.blogspot.com/2009/09/as-ultimas-...
Mais uma vez repito: o método dHhondt tem consequê...
Portugal valia o esforço de um homem de bem. Pelo ...
Esta não é a geração rasca mas diria mesmo que exi...
Confesso que estava com algum receio dos eventuais...
Concordo totalmente. Aliás, há vários dias - antes...
Excelente comentário, claro e sucinto, sobre a rea...
Twitter
subscrever feeds
Últimas ligações para este blog
Twingly Blog Search link:http://novaspoliticas.blogs.sapo.pt/ sort:published

Blog Política de Verdade

Banners

Novas Políticas

Novas Políticas