UM BLOG APOIADO PELO INSTITUTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO

13
Jul 09
No plano do alinhamento no sistema político-partidário o PS nasceu muito mais à esquerda do que o PPD, mantendo até ao 28 de Setembro de 1974 uma política de convergência com o PCP.
Na base deste posicionamento esteve desde logo a cultura oposicionista em desenvolvimento desde o início da década de sessenta, mas também a influência do processo de renovação dos socialistas franceses nos meios intelectuais-políticos portugueses.
Como referiu o historiador e militante socialista António Reis, «a experiência de renovação do P.S. francês, sob a liderança de Mitterand, e de apresentação de um «Programa Comum» com o PCF, produziram um grande impacto junto de Soares e dos socialistas portugueses, que seguiram com idêntica simpatia a experiência do governo chileno de Unidade Popular de Salvador Allende». (António Reis, s.d. p.8)
Na realidade, o exemplo de Mitterand influenciou o primeiro tempo da estratégia de Mário Soares, estando na base da sua perspectiva inicial de unidade com o PCP, à semelhança do «Programa Comum».
Em Setembro de 1973, por insistência dos socialistas, realizou-se em Paris um encontro entre Mário Soares e Álvaro Cunhal onde foi subscrito o chamado «Comunicado Comum» no qual, depois de se reconhecer «o agravamento da crise do regime fascista», expressou-se o desejo de «uma unidade sem discriminação dos democratas portugueses dispostos a lutar unidos por aqueles objectivos essenciais» e reconheceu-se a «importância das actuais estruturas do movimento democrático». Os dois partidos manifestaram ainda a vontade de «manterem contactos regulares, de prosseguirem e aprofundarem as trocas de pontos de vista, de procurarem aproximar as suas posições sobre os problemas em que existam divergências e de reforçarem os laços de cooperação em acções concretas»., (António Reis, s.d. p.19-20)
O 25 de Abril de 1974 não alterou de imediato a estratégia de alinhamentos do PS, mantendo-se a lógica de unitária com os comunistas, sobretudo dada a necessidade de fazer frente à estratégia presidencialista e federalista de Spínola, num cenário marcado pelo afrontamento entre este e a Coordenadora do MFA.
Foi só a partir do 28 de Setembro que se assistiu a uma gradual alteração desta realidade, sendo o seu primeiro sinal público a divergência em torno da transformação do MDP/CDE em partido concorrente às eleições, o que aconteceu em Novembro de 1974 e levou à saída do PS daquele movimento unitário.
A estratégia adoptada pelo PCP no congresso extraordinário de Outubro de 1974 no sentido de apressar a sua revolução e o plano de apoios internacionais do PS, que se transferiu gradualmente para o norte da Europa e para os Estados Unidos (assunto de que falarei em breve), deslocaram o eixo dos seus alinhamentos, o que se reflectiu no seu programa político e na sua estratégia de poder. (continua)
publicado por Tiago Moreira de Sá às 22:39

pesquisar
 
Últimos comentários
Se o balanço do trabalho do IFSC é claramente posi...
"Que o país quer genericamente mais do mesmo, é ev...
O foco neste momento são as autarquias. Penso que ...
http://osocratico.blogspot.com/2009/09/as-ultimas-...
Mais uma vez repito: o método dHhondt tem consequê...
Portugal valia o esforço de um homem de bem. Pelo ...
Esta não é a geração rasca mas diria mesmo que exi...
Confesso que estava com algum receio dos eventuais...
Concordo totalmente. Aliás, há vários dias - antes...
Excelente comentário, claro e sucinto, sobre a rea...
Twitter
subscrever feeds
Últimas ligações para este blog
Twingly Blog Search link:http://novaspoliticas.blogs.sapo.pt/ sort:published

Blog Política de Verdade

Banners

Novas Políticas

Novas Políticas